Certificações

Caro sócio,

Com alguma frequência, tem o Clube de Automóveis Clássicos da Madeira, sido inquirido acerca do retorno a dar ao sócio, ou seja, quais os serviços que presta em seu benefício.

A questão é extremamente pertinente.

Por esse motivo, nos esforçamos ao máximo para explicar e fazer entender a todos, a real importância de se associarem ao Clube de Automóveis Clássicos da Madeira, certificando as suas viaturas.


Qualquer possuidor de uma viatura antiga e clássica se orgulha daquilo que possui.

Qualquer possuidor de uma viatura antiga ou clássica procura preservar o seu bem móvel, cuidando-o, conservando-o, sobretudo em condições de poder usufruir do prazer que o mesmo lhe proporciona.

Por tudo isto, certamente terá despendido valores que em vários casos, ultrapassam em muito o seu valor comercial. E porquê?

Porque gosta. Porque afinal sente que valeu a pena todo o esforço e sacrifício, para possuir a viatura que sempre desejou.

Por essa mesma razão permita-nos fazer uma simples pergunta:

– Acha que vale a pena colocar tudo isso em risco?


Então vejamos:
No Jornal Oficial, I Série, número 133, publicado no dia 18 de Outubro de 1994, através da Resolução nº 951/94, foi atribuída ao Clube de Automóveis Clássicos da Madeira, a designação de Instituição de Utilidade Pública.

Na sequência desta designação, no Jornal Oficial 1ª Série, nº 65 de 17 de Junho de 1996, foi publicada a portaria 69/96, com a seguinte redação:
(…)

Ponto 6: Ficam excetuados da obrigatoriedade de inspeção periódica, os veículos classificados como “automóveis antigos”.

Ponto 7: Além das entidades reconhecidas na Região Autónoma da Madeira, a qualidade de automóvel antigo poderá ser certificada pelo Clube de Automóveis Clássicos da Madeira.

(Nota: Não se verificou qualquer revogação ao referido)
Factos:
(Com a devida autorização do proprietário)
Há algum tempo atrás, um veículo de marca MG Midget, pertencente ao sócio do CACM, Cmdt João Vicente da Cruz Bela, circulava na via rápida, no túnel de acesso aos Viveiros.

Por qualquer motivo, a circulação encontrava-se interrompida à sua frente. O irmão do referido sócio, condutor do veículo, já parado, apercebe-se através do retrovisor, que uma viatura vinda de trás, vai embater contra si.

O embate forte provocou um acidente em cadeia. O MG Midget terá encolhido no seu todo, cerca de um metro.

Este veículo possuía uma referência de “Viatura de interesse histórico”. Por tal motivo, a reparação do MG Midget, foi paga pela seguradora, sem qualquer prejuízo para o seu proprietário, facto que ascendeu a vários milhares de euros.

Caso a viatura não possuísse esse averbamento, o valor de indemnização a pagar, seria correspondente ao seu valor venal, o que poderia atingir no máximo 1.500€.

É apenas um exemplo entre vários que certamente existem.
Caro sócio,

  • 
Será que o mesmo também não lhe pode suceder?
  • Continua a pensar que o seu clube não lhe dá nada em troca?
  • 
Julga ainda que não há necessidade de certificar a/s sua/a viatura/s?
  • Pensa que o valor de 25€ correspondente à certificação é exagerado?


Veja bem:

O certificado atesta a qualidade e originalidade como Viatura Histórica e permite o reconhecimento da mesma como Viatura Clássica em caso de conflito, nomeadamente junto das seguradoras.

Caro sócio,

A decisão aprovada na recente Assembleia Geral, confere uma oportunidade excelente, a todos, de se manterem ligados ao clube, regularizando situações pendentes.

Se é o seu caso, não a desperdice.

Contacte o seu clube.

Não deixe para depois.

“O Clube de Automóveis Clássicos da Madeira, existe para o ajudar”

1. As viaturas Certificadas pelo Clube de Automóveis Clássicos da Madeira, com data de fabrico até 31 de Dezembro de 1959, ficam isentas de Inspeção Periódica Obrigatória de acordo com a seguinte tabela:

  • Até 1918 – 10 anos
  • De 1919 a 1945 – 8 anos
  • De 1946 a 1959 – 6 anos
  • Após 1960 – As viaturas cujo fabrico ocorra após o dia 01 de Dezembro de 1960, terão forçosamente de fazer a inspeção periódica anual, junto do centro de inspeções da Madeira, MADINSP, podendo ainda usufruir do relacionamento existente entre o CACM e aquele centro.
 A certificação destas viaturas tem a validade de 4 anos.

2. Qual a definição de Veículo Histórico? (Definição apresentada pela FIA/FIVA e aceite pela Comissão Europeia e que progressivamente irá sendo adotada pelos diversos países)

Os Veículos Históricos são veículos de estrada acionados mecanicamente que têm, pelo menos, 30 anos de idade, sendo conservados e mantidos em condições corretas de um ponto de vista histórico, não sendo utilizados como meio de transporte do dia-a-dia e que fazem, por essa razão, parte da herança técnica e cultural.

3. Qual a definição de Veículo Antigo?

Designação que se refere à idade do veículo em causa. É uma classificação puramente objetiva, mas que se tem revelado insuficiente, à medida que o critério da idade permitiu uma abrangência cada vez maior de veículos. A palavra “antigos” foi a escolhida quando começaram a surgir as primeiras manifestações no sentido de preservar veículos obsoletos em termos tecnológicos, mas de valia histórica ou afetiva.

4. Qual a definição de Veículo Clássico?

É de todas, a definição mais abrangente. Por clássico entende-se algo que não passa de moda, devido às suas características intrínsecas de qualidade (técnica, estética), pela sua importância histórica, raridade (ou exclusividade) e, mesmo, pela sua relevância afetiva (carisma). Aqui, a idade conta muito pouco, ou mesmo nada, já que existem automóveis e motos em produção atual que podem ser incluídos nesta categoria – dois exemplos: os Morgan e as Bimota.

Alguns dos veículos que podemos abranger nesta classificação serão antigos apenas dentro de algumas décadas, outros poderão até vir a ser considerados históricos, mas todos são extraordinários pela forma como se distinguem da produção corrente de veículos motorizados.

O conceito “Clássico” aplicado a veículos generalizou-se com o aparecimento, em 1973, da revista inglesa “Thoroughbred & Classic Cars”.

5. Quais as categorias FIVA de Veículos Históricos?

  • Classe A – Pioneiros
    Veículos construídos antes de 31 de Dezembro de 1904

classe_a

  • Classe B – Veteranos
    Veículos construídos entre 1 de Janeiro de 1905 e 31 de Dezembro de 1918

classe_b

  • Classe C – Vintage
    Veículos construídos entre 1 de Janeiro de 1919 e 31 de Dezembro de 1930

classe_c

  • Classe D – Pós-Vintage
    Veículos construídos entre 1 de Janeiro de 1931 e 31 de Dezembro de 1945

classe_d

  • Classe E – Pós-Guerra
    Veículos construídos entre 1 de Janeiro de 1946 e 31 de Dezembro de 1960

classe_e

  • Classe F
    Veículos construídos entre 1 de Janeiro de 1961 e 31 de Dezembro de 1970

classe_f

  • Classe G
    Veículos construídos entre 1 de Janeiro de 1971 e 31 de Dezembro de 1980

classe_g

  • Clásse H
    Veículos construídos entre 1 de Janeiro de 1981 e 31 de Dezembro de 1990

classe_h

Para mais informações, poderá também consultar a Portaria 69/96, disponibilizada na ligação abaixo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *